HomeReviewsGuiasE-SportsMobile Gaming

WinTech GamingEncontrámos um artigo interessante no site growingkids.co.uk , que foca um dos dilemas dos pais de hoje em dia. Será que os nossos filhos jogam demasiados videojogos? E quais são as consequências disso? Será que podem trazer benefícios? Fizemos a tradução do artigo, com algumas adaptações, e podem lê-lo já de seguida:


Os pais modernos devem encontrar um equilíbrio em várias áreas – uma delas é controlar o tempo que os seus filhos passam a jogar videojogos. Estudos mostram que as crianças passam mais tempo no computador do que alguma vez passaram, e a maior parte desse tempo é passado a jogar. Portanto, se a isso adicionarmos o tempo que passam a jogar nas consolas de casa e portáteis, podemos dizer que as crianças são definitivamente devoradoras de tecnologia. A questão é - onde se deve traçar uma linha? Quando se trata de videojogos, quanto é que é demais?

 

Exercitar as suas mentes:
Uma das grandes preocupações sobre o fascínio das crianças em relação aos videojogos, é a natureza sedentária deste entretenimento. Na geração anterior, as crianças brincavam na rua, corriam, nadavam, e andavam de bicicleta para se manterem ocupadas. As crianças de hoje, são sem qualquer dúvida menos activas fisicamente do que os seus pais eram, por isso devem ter-se precauções para que o uso de videojogos não seja a sua principal fonte de diversão.

No entanto, se for conseguido um equilíbrio entre a actividade física e os videojogos, muitos entendidos acreditam que deixar as crianças jogar no computador, pode ser benéfico para elas. Ao escolher-se jogos de alta qualidade, as crianças podem aprender bastante. Desde jogos que são especificamente desenvolvidos para serem educacionais, até aqueles que ajudam as crianças com lógica e problemas para resolver, um bom jogo pode ajudar a exercitar a mente de uma criança.

Crianças da pré-escola:
Os jogos de computador podem ajudar os pré-leitores a gostarem de histórias, usando sons e animações interessantes, que fazem as histórias tornam-se mais reais. Muitos jogos também ajudam as crianças a aprenderem as cores, letras e formas. As crianças da pré-escola também gostam de fazer desenhos no computador, criar trabalhos de arte que possam imprimir.
Os pais das crianças da pré-escola, podem apreciar o facto que o computador vai ler, vezes sem conta, algumas das histórias preferidas dos seus filhos. No entanto, nada pode substituir o tempo que passa a ler uma história para o seu filho, mas ter uma pequena ajuda é sem apreciado por pais exaustos.

Idade 6-9:
Crianças com idade para frequentarem a escola primária, tendem para jogos que requerem várias tentativas para se atingir o objective, o que ajuda a desenvolver a memória e lógica, ambas vitais para a aprendizagem. Em muitos destes jogos, atingir níveis altos chega não só de repetir ceros passos por ordem, mas também encontrar formas de contornarem obstáculos. As crianças que são boas as resolver problemas criativos, podem utilizar essas habilidades em todos os aspectos no seu processo de aprendizagem.


Pré-adolescentes:
Quando as crianças amadurecem e a sua capacidade de compreenderem o mundo em volta delas se expande, elas podem desfrutar de jogos mais complexos e detalhados. Além disso, esses jogos requerem a utilização de conhecimentos que utilizam no mundo real. Jogos como os da série Sims, que dão  às crianças a oportunidade de olharem para os seus jogos como mini versões dos problemas da vida real, e que lhe dão a oportunidade de encontrar uma solução. Além disso, alguns dos jogos trazem-lhe arte, geografia e história de vida, despertando a imaginação das crianças.
 
Portanto, quanto é que é demais?
Os videojogos podem ser uma parte de uma vida equilibrada, mas se jogá-los começar a interferir com a apreciação de outras coisas, então é altura de criar alguns limites. As crianças, como todos nós, precisam de um pouco de trabalho e de um pouco de diversão, algum tempo em casa e algum tempo a apreciar o brilhar do sol. Cada pai deve decidir o que é melhor para a sua família, mas com moderação, e os videojogos podem oferecer às crianças muito mais que pura diversão.
 
 
 

 

comments powered by Disqus